Post it proibido para uso no vade mecum!

Comentários (2)

postit_note_proibido

Ainda comentando o edital publicado do XXIº Exame da OAB, resolvi tratar deste assunto neste artigo específico para mostrar que uma prática já enraizada no costume do acadêmico e examinando deverá ser revista. Sobre o edital, sugiro a leitura deste artigo completo, clique aqui.

Pois bem, revisando a história do exame de ordem, a OAB já tirou da 2ª fase:

  • livros doutrinários;
  • códigos comentados e anotados;
  • índices legislativos que “estruturavam” peças; e agora,
  • o uso do post it.

Vamos lá para os editais do XXº Exame e XXIº Exame. Segue o texto destacado e comparativo:

Proibição de post-it

O que de fato ficou?

Utilização de separadores de códigos fabricados por editoras ou outras instituições ligadas ao mercado gráfico, desde que com impressão que contenha simples remissão a ramos do Direito ou a leis.

Então, a partir de agora, ou se marcam as páginas com CLIPES coloridos ou se utilizam dos marcadores fabricados por editoras, no caso, os mais conhecidos são da Livraria Marca Fácil.

Por fim, reitero, em primeiríssima mão, o lançamento da nova PLATAFORMA de ensino da Editora Saraiva, o Saraiva Aprova e que já está em fase de cadastramento para em breve informar como será esta ferramenta aprimorada de preparação para Exame de Ordem. Conheci pessoalmente a sua apresentação e posso afirmar que não há nada até hoje oferecido no mercado, nem próximo, muito menos similar.

Tenho 11 anos de experiência neste mercado e conheço muitos cursos, cursinhos e preparatórios, mas APROVATÓRIO é o 1º que vejo, porque – sem dúvida alguma – vai cumprir com o que promete, só não vai estudar por você! É a 1ª plataforma que ajusta os estudos de forma personalizada, ou seja, haverá um tipo de combinação (teórica e prática com questões) para cada aluno, observando suas virtudes e deficiências. Um sistema tecnologicamente avançado e que somente é visto nas plataformas mais avançadas de ensino nos Estados Unidos para o BAR Exam (o exame de ordem dos EUA).

Ademais, outro grande diferencial e que não poderá ser copiado por nenhum outro: o aluno terá acesso ao conteúdo da Editora Saraiva! Portanto, ao se matricular, o examinando terá em mãos mais de 100 anos de tradição do melhor conteúdo jurídico do país, oferecendo direcionamento à aprovação do Exame da OAB. Portanto, é uma plataforma completa que fecha todas as frentes: vídeoaulas + conteúdo impresso + conteúdo online.

Ainda, conhecemos grande parte do corpo docente e que está sendo liderado pelo professor e autor que dispensa maiores apresentações: Pedro Lenza. Se você já ouviu a expressão “ESQUEMATIZADO” tenha certeza que o seu inventor e responsável por este método de aprendizado, um sucesso absoluto no mundo editorial (e copiado por muitos) estará mais envolvido do que nunca nesta plataforma. Em breve, comento mais sobre esta plataforma e os integrantes da seleção de professores consagrados.

Para saber mais, clique na imagem abaixo para deixar o seu email a fim de receber mais informações sobre esta revolução do ensino no país.

logo_Saraiva Aprova

Edital publicado do XXI Exame da OAB

Comentários (11)

Publicado Edital

Conforme previsto pela calendário da OAB divulgado no início do ano, a previsão da publicação do edital para o XXIº Exame de Ordem confirmou-se. Portanto, temos um edital publicado, cuja 1ª prova está marcada para 27 de novembro, ou seja, daqui a 60 DIAS!

Este ano foi promissor para quem precisava de tempo para estudar. Em duas edições para OAB, o prazo foi de 60 DIAS entre publicação do edital e a prova da 1ª fase. Em outra, a média que vinha sendo efetivada, 45 dias.

Pois bem, é praticamente 2/3 do tempo que se estipula como “razoável” para uma preparação adequada, conceito que trabalhamos e insistimos desde os primórdios. Assim, tal tempo razoável é 3 meses para quem acabou de sair de uma faculdade e está “por dentro” da atualização legislativa e com as baterias aquecidas. Agora, para quem está afastado do convívio jurídico, certo que precisa de mais tempo de estudos.

Nossa ideia é destacar o que vem de importante e novo entre o edital do XXº Exame e o presente.

Primeiro, vamos enfatizar o que é mais importante para quem vai se inscrever agora.

  • Período de Inscrição 26/09/2016 a 10/10/2016
  • Valor R$ 240,00
  • Edital complementar para repescagem: dia 11/10/2016.
  • Prova Objetiva – 1.ª fase 27/11/2016
  • Divulgação do gabarito preliminar – 1ª fase 27/11/2016
  • Resultado preliminar – 1ª fase 8/12/2016
  • Prazo recursal – 1ª fase 9/12 a 12/12/2016
  • Prova prático-profissional – 2.ª fase 22/01/2017
  • Divulgação do resultado preliminar – 2ª fase 22/01/2017
  • Divulgação do padrão de respostas definitivo – 2ª fase 14/02/2017
  • Prazo recursal acerca do resultado preliminar da 2ª fase 15/02 a 18/02/2017
  • Divulgação do resultado final do Exame 8/03/2017

Importa destacar que a escolha da 2ª fase é neste momento, assim, indico alguns textos que escrevi para ajudar nesta tarefa importantíssima!

Pois bem, voltando ao edital, não há surpresas que envolvam ou interfiram na preparação. Cogitou-se que a OAB vetaria a utilização de marca-textos em razão de muitos problemas com fiscais e examinandos e a retirada de códigos. Creio que este debate deverá voltar à tona. De qualquer modo, é NOVIDADE entre os MATERIAIS PROIBIDOS DE CONSULTA:

Utilização de notas adesivas manuscritas, em branco ou impressas pelo próprio examinando.

Ou seja, POST-ITs estão PROIBIDOS! Veja que no edital anterior o texto permitia “separação de códigos por clipes e/ou por cores, providenciada pelo próprio examinando, sem nenhum tipo de anotação manuscrita ou impressa nos recursos utilizados para fazer a separação”. Agora só permite “separação de códigos por clipes”. Mas continuam LIBERADOS os “separadores de códigos fabricados”, ou seja, as etiquetas MARCA FÁCIL permanecem com uso permitido. Clique aqui e saiba mais.

Por fim, a GRANDE surpresa, em primeiríssima mão, é o lançamento da nova PLATAFORMA de ensino da Editora Saraiva, o Saraiva Aprova e que já está em fase de cadastramento para em breve informar como será esta ferramenta aprimorada de preparação para Exame de Ordem. Conheci pessoalmente a sua apresentação e posso afirmar que não há nada até hoje oferecido no mercado, nem próximo, muito menos similar.

Tenho 11 anos de experiência neste mercado e conheço muitos cursos, cursinhos e preparatórios, mas APROVATÓRIO é o 1º que vejo, porque – sem dúvida alguma – vai cumprir com o que promete, só não vai estudar por você! É a 1ª plataforma que ajusta os estudos de forma personalizada, ou seja, haverá um tipo de combinação (teórica e prática com questões) para cada aluno, observando suas virtudes e deficiências. Um sistema tecnologicamente avançado e que somente é visto nas plataformas mais avançadas de ensino nos Estados Unidos para o BAR Exam (o exame de ordem dos EUA).

Ademais, outro grande diferencial e que não poderá ser copiado por nenhum outro: o aluno terá acesso ao conteúdo da Editora Saraiva! Portanto, ao se matricular, o examinando terá em mãos mais de 100 anos de tradição do melhor conteúdo jurídico do país, oferecendo direcionamento à aprovação do Exame da OAB. Portanto, é uma plataforma completa que fecha todas as frentes: vídeoaulas + conteúdo impresso + conteúdo online.

Ainda, conhecemos grande parte do corpo docente e que está sendo liderado pelo professor e autor que dispensa maiores apresentações: Pedro Lenza. Se você já ouviu a expressão “ESQUEMATIZADO” tenha certeza que o seu inventor e responsável por este método de aprendizado, um sucesso absoluto no mundo editorial (e copiado por muitos) estará mais envolvido do que nunca nesta plataforma. Em breve, comento mais sobre esta plataforma e os integrantes da seleção de professores consagrados.

Para saber mais, clique na imagem abaixo para deixar o seu email a fim de receber mais informações sobre esta revolução do ensino no país.

logo_Saraiva Aprova

Depoimento – Exame da OAB 2ª fase: “tive meu código retido”.

Comentários (0)

brabeza

Com muita razão, é uma das grandes dúvidas sobre a marcação de códigos e Vade Mecum para o seu uso na prova da 2ª fase: será que cometi excessos? De fato, é uma questão muito subjetiva do fiscal apontar que você ultrapassou o que era permitido, tornando-se proibido. Já escrevi sobre como proceder caso o fiscal confisque o seu código:

2ª fase da OAB: e se o fiscal implicar com o seu código?

Por estas razões, o Conselho Federal e os responsáveis pelo Exame da OAB andam se questionando se não seria caso de PROIBIR de vez qualquer tipo de marcação no código, desde post-it até marca-textos. Desse modo, acabaria com esta preocupação.

Mas enquanto não temos uma posição mais objetiva a respeito, os examinandos ficam à mercê das considerações dos fiscais. Infelizmente, acontecem casos como deste depoimento e que destaco para você pensar DUAS, TRÊS ou QUATRO vezes antes de tornar o seu código um arco-iris ambulante. Não posso avaliar se é o caso abaixo, mas andei alterando um pouco minha posição sobre deixar de tornar livre um ambiente para os “artistas” para se tornar um lugar mais contido de no máximo duas cores.

Portanto, fica a advertência abaixo.

“Professor, fiz a segunda fase domingo, e tive meu código retido pela fiscal, pois ele estava bem clipado e com cores diferentes pintadas, destacando os artigos. Tinha remissões a lápis, mas nada de estrutura de peças. Ela foi muito estúpida, e os colegas que disseram q não viam nada de errado, ela mandou calar a boca e sentarem. Enfim, fiz a peça correta, com embasamento legal, pois estudei muito…mas muito mesmo!!! Tinha tudo na cabeça, mas quanto as questões, não tinha como lembrar de todos artigos, sumulas e leis específicas. Então não as citei…eu não acreditava no que estava acontecendo!!! Fiquei sem chão…tenho 43 anos, não sou criança, e enfim, abdiquei-me da família e tudo mais, para me preparar com responsabilidade e foco. E, no fim, ser injustiçada por tamanha imprudência e abuso de autoridade dada a uma pessoa sem preparo. Fui educada e me mantive, ela completamente histérica e mal educada!!! O que posso fazer? Fiquei inerte, sem ação, jamais me passou esta situação hipotética…Um verdadeiro absurdo e injustiça!!! Tem como sanar? Não conhecia seu blog; é uma pena!!! Mas, se puder me orientar, fico imensamente grata! Minha primeira prova 2 fase, mas pensei na hora, vc pode me tirar meu Vade, mas o q eu sei, vc não me tira!!! Portanto, foi o que me levou a fazer a prova, mas estava sem chão..olha meu Vade lá , ela rindo e desfilando bem satisfeita! Dói muito isso q passei, era uma prova com nota no minimo 9,0!!!” – Carla.

Como foi a 2ª fase da OAB do XX Exame?

Comentários (43)

duvida2

Caros amigos, ontem tivemos a realização da 2ª fase da OAB do XXº Exame Unificado. O que podemos esperar desta prova? Examinando melhor as respostas que a FGV liberou, lembrando que não é o gabarito definitivo, podemos considerar que a prova foi tranquila para todas as áreas. Até o momento, não vi ninguém reclamar da prova, o que é um indicativo bastante razoável que a prova da OAB estava como se espera de uma prova da OAB…

Consultando meus amigos professores e autores das nossas coleções, nenhum deles fez a menção de alguma indignação. Li manifestações de diversos professores nas redes sociais que eles tinham acertado a peça. Se confirmar todas, realmente, a prova estava muito presumível.

De qualquer modo, tivemos um problema na cidade de Porto Velho, porque faltou luz, e a prova foi cancelada por lá. Irão refazer em outra data para eles. Fora isso, não vi qualquer outra anormalidade.

Há ainda uma discussão sobre a indicação de artigos do NCPC nas provas. Entendo que como é a 1ª prova baseada no NCPC, creio que a banca aceitará a correspondência dos artigos no CPC/73, até porque ainda não entendi porque nas provas de CIVIL e EMPRESARIAL usaram datas antes de entrar a vigência do NCPC nas situações hipotéticas…

Em relação às manifestações pós-prova dos alunos, recebo o feedback de sempre: temor que tenham identificado a peça. As situações de riscar e reescrever novamente, nunca vi alguém ser reprovado por isso. Outro problema corriqueiro é o examinando responder na folha indevida e riscar tudo e reescrever no local certo.

Mas as principais dúvidas sempre recaem a: colocar data no final da peça e local no fechamento.

Neste exame específico, em PENAL foi cobrada a inclusão de uma data correta para fins de avaliação. E se erra a data? Não é identificação, mas erro pontual. Fora esta prova, não vi exigência alguma em outras disciplinas, exceto, CIVIL, que me deixou na dúvida se irão considerar como item de pontuação a indicação de data. Caso aceitem, incluir a data não é identificação. Nas outras disciplinas daí vem o problema: colocou data? Provavelmente, a banca irá considerar como identificação.

E a ideia do local? Muita gente acaba colocando o local que é identificado como endereçamento da peça. Vejamos o exemplo de TRABALHO. Está lá que a peça deveria ter sido encaminhada para Vara do Trabalho de Natal/RN. Se você colocar esta data no fechamento da peça, entendo que não é identificação. Agora em TRIBUTÁRIO não tinha qualquer cidade identificada. Se você colocou, lamento em informar que é identificação.

Importa destacar ainda que neste Exame foi alterada uma regra e que beneficiará muita gente, qual seja: é possível ao invés de usar “…” (reticências) usar “xxx”. Exemplo: OAB Nº XXX. Está lá na regra 3.5.9 que transcrevemos abaixo:

Na elaboração dos textos da peça profissional e das respostas às questões discursivas, o examinando deverá incluir todos os dados que se façam necessários, sem, contudo, produzir qualquer identificação ou informações além daquelas fornecidas e permitidas nos enunciados contidos no caderno de prova. Assim, o examinando deverá escrever o nome do dado seguido de reticências ou de “XXX” (exemplo: “Município…”, “Data…”, “Advogado…”, “OAB…”, “MunicípioXXX”, “DataXXX”, “AdvogadoXXX”, “OABXXX” etc.). A omissão de dados que forem legalmente exigidos ou necessários para a correta solução do problema proposto acarretará em descontos na pontuação atribuída ao examinando nesta fase

Nas últimas provas, milhares foram reprovados em razão desse “xxx”. A banca mudou para melhor.

Lembre que o problema da IDENTIFICAÇÃO você parte da premissa que a sua prova, UNICAMENTE, poderia ser identificada com algum tipo de elemento, como desenhar um “smile” ou assinar com o seu próprio nome a peça ou criar informações, tipo endereço fictício, enfim.

Boa sorte a todos e até o dia 11/10, data da lista preliminar de aprovados!

Desculpe o transtorno, preciso falar do Exame da OAB

Comentários (0)

Exame

Conheci ele em 1997 na faculdade. Essa frase pode parecer romântica se você imaginar alguém que estava prestes a se formar num curso de Direito da PUCRS em Porto Alegre. Mas a faculdade em questão não me dava o direito de exercer a advocacia, curso que até então oferecia a todos, garotas e garotos, a opção de fazer um estágio e ganhar na formatura a bonita carteira vermelha da OAB. Eu fazia Direito. Meu pai fez Direito. Mas até pouco tempo atrás eu não fazia Direito, eu queria fazer era Medicina. Nunca vou me esquecer: estudei para Medicina e passei em Direito.

Quando todos saiam da faculdade já com profissão, o Direito não deixava. Quando iam pra entrevistas de emprego, o Exame da OAB não deixava. Quando se atiravam pro mercado de trabalho, trombavam com ótimas oportunidades salariais. As questões, sempre difíceis e com pegadinhas, deixavam claro que ele não fazia ideia do que estava fazendo. Foi ódio à primeira vista. Não só pra mim, acho.

Passamos algumas madrugadas estudando Hely Lopes Meirelles e José Afonso da Silva. De lá, migramos pro resumo do Maximilianus Claudio Americo Fuhrer. Do Fuhrer pro xerox do melhor caderno da turma, do xerox pro resumo, do resumo pro cartão de anotações.

Começamos a namorar quando ele a recém tinha se tornado obrigatório e eu 24, mas parecia que a vida começava ali. Vimos todas as leis. Algumas várias vezes. Fizemos todas as questões existentes de OAB. Erramos algumas delas porque o estudo tava pouco. Escolhemos livros sem pesquisar se eles passavam pelo orçamento. Escrevemos juntos resumos, anotações, mnemônicos. Fizemos uma dúzia de amigos novos e junto com eles um grupo de estudos. Fizemos mais de 50 páginas só nós dois —acabei de contar. Sofremos com os professores, rimos com os colegas. Estudamos o Direito dividindo a ansiedade. Dos dez livros que mais gosto, sete foi ele que me mostrou. Os outros três foi ele que me ensinou a escrever. Aprendi o que era affectio societatis e também o que era disregard doctrine, exordial, revelia, conditio sine qua non e outras palavras que o Word tá sublinhando de vermelho porque o Word não teve a sorte de ter estudado com ele.

Um dia, eu passei. E não foi fácil. Choramos mais que no final de “Titanic”. Mais que no começo de “Ghost – Do Outro Lado da Vida”. Até hoje, não tem um lugar que eu vá em que alguém não diga, em algum momento: como passar no Exame da OAB? Parece que, pra sempre, ele vai se fazer presente. Se ao menos a gente tivesse deixado de lado a vontade de ajudar os outros, eu penso. Deixaria pra sempre ele onde está.

Essa semana, pela oitava vez, vi o livro que a gente fez juntos —não por acaso um livro de questões comentadas OAB/FGV. Achei que fosse chorar tudo de novo. E o que me deu foi uma felicidade muito profunda de ter vivido um grande amor na vida. E de ter esse amor documentado em dezenas de livros —e em tantos cursos preparatórios, palestras e blog. Não falta nada.

Marcelo Hugo da Rocha

(inspirado no texto “Desculpe o transtorno, preciso falar de Clarice” de Gregório Duvivier publicado originalmente na Folha de São Paulo em 12/9)

 5251

O lado ficção do Exame da OAB

Comentários (0)

exame-oab

Nem tudo que é dito sobre o Exame de Ordem é verdade. Há muitas lendas urbanas sobre o assunto, outras, nem tanto. Já ouvi ou li notícias que parecia ter saído do site “Sensacionalista”. Por outro lado, muita gente tem curiosidade para saber dos “bastidores” da prova, do que deu errado, coisas engraçadas, enfim, o que não se vê, mas se acredita ou duvida.

Este é o tema deste post!

- Episódio 1 – “A ganância da OAB” – Pois bem, seria verdade que o Conselho Federal tem o Exame de Ordem para arrecadar fundos, como fonte financeira do seu orçamento? Acredito que, exclusivamente, não seja este motivo. Se não houvesse prova da OAB, todos os bacharéis poderiam ser pagantes de um dia para o outro de uma anualidade e que não é barato. Certamente, seria uma das instituições mais ricas do país. Mas há quem afirme, que no final das contas, o exame é muito lucrativo e disso não podemos negar.

- Episódio 2 – “O examinando persistente” – Quantas vezes foi o recorde de algum examinando fez a prova até passar? 20? 50?? É difícil de saber ao certo, mas em 2007 o UOL divulgou a trajetória de um examinando que tinha chegado ao 17º exame e que ainda não tinha sido aprovado. O livro de recordes mais famoso, o Guiness, não tem registros a respeito. Segundo a FGV, a média para ser aprovado é apenas no 3º exame.

- Episódio 3 – “Não passou 3 vezes seguidas, pede música para o Fantástico” – Em algum momento, algum engraçadinho andou espalhando a notícia que aquele que não fosse aprovado depois da terceira tentativa ficaria obrigado a ficar de fora por 1 ano até retomar novas tentativas. Essa mudança ou sugestão de alteração do edital ou provimento nunca passou entre os conselheiros da OAB. É claro que isso se tornou lenda urbana.

- Episódio 4 – “O oabeiro-bomba!” – Infelizmente, isso é verdade. Aconteceu em julho de 2016 em Salvador quando um examinando ameaçou explodir uma bomba que disse que carregava. As provas foram interrompidas, o esquadrão de bombas acionado e invadiu o prédio. Depois aplicadas em outra data. Felizmente, não passou de um susto.

- Episódio 5 – “O azar de Zulmar” – Certa feita, um aluno, o Zulmar, foi fazer a prova da OAB, já estava na quinta tentativa e jurou para si mesmo que seria a última. Combinou com o professor que iriam conferir a prova juntos. Era uma época que o gabarito não era divulgado no mesmo dia. Saiu da prova muito confiante: – Professor, hoje foi o meu dia! Publicado o gabarito, o professor conferiu uma a uma as questões com o seu aluno. Fechada a conta, faltaram 4 questões para ser aprovado. Zulmar não acreditou que na hora de postar o gabarito tinha, justamente, alterado 4 questões. Se não tivesse feito isso, teria sido aprovado e estaria na 2ª fase. Cumpriu a promessa e deixou a vida de OAB de lado.

- Episódio 6 – “A alternativa amiga” – Ainda quando o exame era uma prova realizada por cada seccional, muito amadorismo corria frouxo. É uma histórica quase esquecida que um grupo de examinandos conseguiu ser aprovado chutando apenas uma alternativa para ser aprovado. Não precisava estudar, bastava ter a sorte de escolher uma das quatro alternativas e páh! Aprovação na certa. Hoje o gabarito é pensado para que nenhuma das alternativas seja o suficiente para ocorrer novamente tais coincidências.

- Episódio 7 – “A capa secreta” – Antes de ser proibidos os livros de doutrina para consulta na 2ª fase da OAB, restando apenas o Vade Mecum hoje, muitos examinandos aproveitaram esta oportunidade para criarem capas falsas e vestir os livros de modelos de peças, os únicos proibidos. Assim, não só de doutrina, mas também livros de passo-a-passo de peças eram incluídos no dia da prova.

- Episódio 8 – “O dia que a Terra parou” – Mais uma prova da OAB. Aflições de sempre. Saída da prova, todos exaustos e confusos, realmente, aquela prova tinha sido muito difícil, quase impossível. Os professores tiveram acesso e, imediatamente, começaram a reclamar do grau de dificuldade. Divulgado o gabarito, todos foram examinar quais questões poderiam ser anuladas. Mas um professor acabou percebendo que uma questão de tributário era muito parecida com outra que tinha acabado de comentar para um livro e zás! A questão era igual, ou seja, a FGV tinha usado a mesma! Bomba! Todos correndo para ver se poderiam ser beneficiados. Bomba de novo, outra questão igual. E de novo, outra questão. Pandemônio. Ao final, a FGV reconheceu e anulou todas as três questões e mais outra de lambuja. Saiba mais, clicando aqui.

- Episódio 9 – “Pega na mentira!” – Como se sabe, o maior boato de todos é a OAB incluir uma 3ª fase no Exame de Ordem. Já se ouviu que seria uma prova oral; outra vez, prova de carregamento de autos; e outra que seria prova de títulos. Mas a maior mentira de todas foi do 1º de abril de 2015, cuja notícia acabou “viralizando” nas redes sociais e inclusive alguns sites acreditaram que era verdadeira. Nada como uma pegadinha do Malandro, ié-ié! Glu-glu!

- Episódio 10 – “As 10 lendas urbanas da OAB” – No último episódio desta temporada, uma homenagem a todas as teorias ficcionais que já associaram ao Exame de Ordem, desde métodos de estudos até a famosa “lista negra” que a OAB mantém daqueles que recorrem contra suas questões e a prova da 2ª fase, clique aqui e conheça cada uma delas.

Você sabe qual Estado mais aprova no Exame da OAB?

Comentário (1)

 

 

surpresa

Será que você pertence à seccional estadual da OAB que mais aprova no Exame de Ordem? Ou naquela que contém os piores índices de aproveitamento? Pois bem, a FGV fez um levantamento entre o IIº ao XVIIº Exame Unificado e os resultados são muito interessantes.

Apesar do Ceará ser o estado que mais aprova, é a região sul (Paraná, SC e Rio Grande do Sul) que lidera o ranking com 60% de aprovação e, em 2º lugar, a região nordeste com 59%, ou seja, a diferença de apenas 1%. Estes dados são relevantes para tirar a estigma do que na região sul e sudeste (que ficou em 3º lugar com 56%) lideram as aprovações, cuja razão mais veiculada é em razão da qualidade superior do ensino jurídico.

Em 4º lugar, com 51% a região centro-oeste e, por fim, com 50%, a região norte.

Segundo os comentários da própria FGV, “entre os possíveis fatores associados ao diferencial regional no desempenho dos examinandos, é possível ressaltar a heterogeneidade na formação superior dos bacharéis, isto é, a diversidade das condições de ensino oferecidas pelos quase 1.300 cursos de Direito oferecidos atualmente”.

Por fim, a última observação: a situação de São Paulo. O número de inscritos na OAB e de aprovados em números nominativos é o maior de todos, no entanto, em % de aprovação está mais perto dos últimos colocados do que dos primeiros.

Aprovação OAB por Estados

Setembro: mês do novo edital do Exame da OAB!

Comentários (0)

setembro

Depois de um mês de agosto atípico e que parecia não terminar, finalmente, chegamos a setembro, mês que inicia a PRIMAVERA, que tem feriado nacional no dia 7 e que…

- Sai a publicação do edital do último EXAME DE ORDEM do ano!

Quase todos os anos é assim e no ano que vem também o será! [clique aqui e confira nossa previsão das datas de 2017]. Portanto, se alguém está esperando apenas a data da publicação do edital da OAB para começar os estudos, lamento informar que a atitude está totalmente errada!

As datas para o próximo exame são estas:

XXI EXAME DE ORDEM UNIFICADO
Publicação do Edital de Abertura 26/09/2016
Período de Inscrição 26/09/2016 a 10/10/2016
Prova Objetiva – 1.ª fase 27/11/2016
Prova prático-profissional – 2.ª fase 22/01/2017

Portanto, quem deixar para começar a estudar apenas na data do edital terá aí pela frente 2 MESES até a data da prova da 1ª fase. É um prazo muito ruim? Não, mas já foi pior, pois a diferença exigida são de apenas 30 dias entre a publicação do edital e a realização da prova. Ou seja, temos o dobro de tempo para estudar.

Mesmo assim, não acredito que este tempo seja suficiente. O ideal são 3 MESES. Mais do que isso, em geral, o examinando perde a motivação ou desvia o foco. Falo “em geral”, pois outros preferem mais tempo para estudar. A questão da ansiedade prejudica muito, o que torna a preparação com alto grau de stress.

Por outro lado, tem gente que prefere estudar SOB PRESSÃO: menos tempo, melhor!

De qualquer modo, o XXIº Exame Unificado é quase uma realidade e para quem irá se inscrever a partir da publicação do edital tem que já estar envolvido, ao menos, emocionalmente, com o certame, ou seja, preocupado. Se há muitas atividades simultâneas que não lhe deram ainda a oportunidade em pensar na OAB, está na hora de começar a avaliar o que é mais importante e como contornar o seu tempo de preparação.

Também é a hora de reunir material para estudar. Disso, indicamos a obra abaixo que está na sua 2ª edição, totalmente atualizada com NCPC e Novo Código de Ética da OAB que entrou em vigor esta semana. Ademais, em menos de 60 dias da sua publicação, o livro esgotou! Assim, você poderá ter alguma dificuldade em achá-lo nos próximos dias, mas a editora está providenciando abastecer as principais livrarias com ele.

É uma obra pioneira que reuniu pela 1ª vez TEORIA UNIFICADA com QUESTÕES COMENTADAS. Traz resumos de todas as 17 disciplinas além das provas da FGV. O valor de capa é apenas R$ 179,00, mas você encontrará por volta de até R$ 140,00 [clique aqui, em promoção por R$ 134,25].

Por fim, posso sugerir um modo eficiente e simples de planejamento?

  • Inclua 2 disciplinas por dia na sua grade de estudos.
  • Estude todos os dias, inclusive sábado e domingo.
  • Deixe apenas ECA, CDC e Ética fora desta grade, fechando assim, 14 disciplinas por semana. Se quiser aproveitar o domingo de folga, distribua 2 disciplinas em outros dias.
  • ECA, CDC e Ética deixe para se dedicar na última semana antes da prova.
  • Estude dentro do tempo que você tem disponível. O ideal é pelo menos 1 “hora líquida” (sem interferências) para cada disciplina por dia.
  • Resolva muitas questões, preferencialmente, mais de uma matéria na mesma ocasião e em horários de extremo cansaço, pois esta será a situação que enfrentará no dia da prova.
  • Resolva estas questões fora do horário da grade para estudo exclusivamente teórico.

completaço

#SeLigaNaDica

Agenda OAB

XVII Exame de Ordem Unificado

  • 01.06.2015

    Publicação do edital

  • 01.06.2015
    a
    15.06.2015

    Período de inscrições

  • 01.06.2015
    a
    15.06.2015

    Período de solicitação de isenção da taxa de inscrição

  • 25.06.2015

    Resultado definitivo da análise de solicitações de isenção da taxa

  • 01.07.2015

    Prazo limite para pagamento da taxa de inscrição

  • 13.07.2015

    Divulgação dos locais de realização da prova objetiva

  • 19.07.2015

    Realização da 1a. Fase (prova objetiva)

  • 19.07.2015

    Divulgação do gabarito preliminar da prova objetiva

  • 04.08.2015

    Resultado preliminar da 1a. fase

  • 21.08.2015

    Prazo recursal contra o resultado preliminar da 1a. fase

  • 21.08.2015

    Divulgação do gabarito definitivo da 1a. fase

  • 04.09.2015

    Divulgação dos locais de realização da prova prático-profissional

  • 13.09.2015

    Divulgação do padrão de resposta preliminar da prova...

  • 13.09.2015

    Divulgação do padrão de resposta prelilminar da prova...

  • 13.09.2015

    Realização da 2a. fase (prova prático-profissional)

  • 06.10.2015

    Divulgação do padrão de respostas definitivo e do resultado...

  • 07.10.2015
    a
    10.10.2015

    Prazo recursal acerca do resultado preliminar da 2a. fase

  • 23.10.2015

    Decisão dos recursos e divulgação do resultado final do Exame