A ressurreição anunciada do curso de DIREITO

Compartilhe:

Em junho de 2011, portanto, há quase 8 anos atrás, escrevi um dos textos mais polêmicos (talvez “o” mais) aqui no blog. O título era A MORTE ANUNCIADA DO CURSO DE DIREITO. Depois de ser queimado vivo pela inquisição virtual, resolvi retirar o texto do ar. Antes disso, quase 6 mil visualizações em poucos dias. Cheguei a escrever uma continuação do texto para me defender, pois não estava falando mal de ninguém especificamente, mas não publiquei (está salvo nos rascunhos), preferindo retirar o texto original do ar.

Então, todo este período se passou. O que era o texto? Resumidamente, defendia eu que a graduação de Direito iria acabar com a provável implementação do curso à distância. Ao tempo da publicação, a faculdade UNISUL tinha o único curso de Direito do país à distância. Não sei como conseguiram, pouco importa, mas ataquei esta situação (e não à faculdade). Tratei também de um texto que o Luis Flávio Gomes, à época, nome à frente do curso LFG, a qual ele defendia a extensão para o Direito da graduação telepresencial. Claro, ao meu modo, bati também na argumentação dele e em razão de interesses próprios, resumindo o que falei.

A faculdade UNISUL – não demorou muito – acabou perdendo este curso e o Luis Flávio Gomes hoje é deputado federal eleito de primeiro mandato. Diga-se, não perdeu o curso por minha causa, apesar da repercussão das minhas palavras. Atente-se que a maioria dos comentários sobre o meu texto era de alunos da própria instituição e TODOS eram a favor do formato de ensino à distância, com grandes elogios à UNISUL. Entrei no site da faculdade e lá tem o destaque da nota máxima do MEC – 5. Há cursos de mestrado e doutorado com nota máxima da CAPES. Enfim, é uma instituição respeitável, estabelecida em Santa Catarina.

Com o tempo, fui amadurecendo. A evolução é a palavra a qual defino felicidade. Se você evolui, sinta-se feliz, pois nada melhor possa acontecer do que a evolução própria como pessoa, seus pensamentos e comportamentos. Neste tempo, uma das maiores experiências foi ter entrado para graduação para lecionar. Eu já lecionava desde início de 2006, mas em preparatórios. Ministrei aulas também na pós, só para depois cair na graduação. Fiz mestrado neste tempo e me tornei pai.

Durante seis semestres, de 2016 a 2018, fui professor na graduação da UNICNEC, centro universitário da rede CNEC. É uma faculdade que fica no litoral gaúcho e pega alunos não só da costa, como do interior. Realmente, o raio de abrangência é grande. Aprendi neste período que o aluno de Direito quer comodidade. Assistir a dezenas de ônibus chegando e indo dos mais diversos lugares retrata muito bem o que desejo expressar. Neste período, também dei aulas para turma de Administração em dois semestres. Peguei, justamente, o momento que a faculdade implementou o curso à distância da Administração. O que aconteceu? As turmas presenciais começaram a ficar pequenas ou a não fechar. Motivo? Comodidade.

E quando falo da comodidade, há a questão forte do investimento, não só das matrículas serem mais acessíveis no modo à distância, como também todos os valores gastos de locomoção, alimentação, etc. O que enxergo? O curso da graduação presencial de Administração vai fechar na UNICNEC. É culpa do ensino à distância? NÃO! Uma das coisas que aprendi em 3 anos de graduação que o sistema não será culpado. O responsável sempre será a instituição que não soube lidar com o EAD. Sei disso muito bem, porque fui proprietário de um preparatório presencial de grande sucesso regional e quando entrou o EAD, não tive a competência de entender como funcionava e como poderia conviver com o presencial. Culpa? 100% minha!

ressurreição do curso de DIREITO está – justo – no EAD. No final de dezembro de 2018, por um dos últimos decretos de Michel Temer como presidente, foi liberado o sistema HÍBRIDO, ou seja, até 40% do curso da graduação poderia ser EAD. Se vai pegar? Já está em movimento gradual a ideia de tornar o curso de Direito, como muitos outros, 100% EAD. Ao contrário do que afirmei lá em 2011, o curso não vai morrer, pois ele já está moribundo, ele vai RESSUSCITAR! Você que é contra este movimento – como eu já fui – veja a realidade atual:

  • cursos de pós-graduação em Direito em 100% online
  • cursos preparatórios para OAB e concursos em 100% online
  • cursos de graduação em Direito até 2018 com diversas disciplinas optativas online

– Mas professor, há mais de 1.500 cursos de Direito no país, vai haver uma explosão de alunos!

Não é verdade e o tempo só vem mostrando isso. O Direito está perdendo campo e, em breve, vai perder a preferência no ensino superior. Sabe aquelas inúmeras portas que o Direito deveria abrir? Pois então, o mercado jurídico passa por uma reformulação tecnológica em que a inteligência artificial precisa ser aprendida e utilizada de forma positiva nos escritórios e atividades públicas. Aquele profissional que só copia e cola e imprime suas petições vai acabar. Veja, NÃO HÁ estatísticas de quantos dos 1.500 cursos estão funcionando ou abertos. Muitas instituições buscam a certificação da graduação para gerar cursos de pós-graduação em EAD, pois são bem mais rentáveis.

Com o EAD, irá acontecer uma acomodação de mercado, como já aconteceu com tantos restaurantes de comida japonesa e hamburguerias: somente os melhores e mais bem estruturados ficarão operando. Hoje, muitas faculdades operam no vermelho e não enxergam saídas a curto prazo. Em razão disso, há um sucateamento não só de infraestrutura, como de demissões em massa de professores.

– Mas professor, o EAD vai demitir muitos professores!

Vai, não tenho dúvidas. O problema atual é que a instabilidade dos cursos torna o trabalho do professor sempre em risco. Quando da implementação do EAD, o mercado irá escolher os melhores e mais bem preparados para o formato. Lembre que os apps de motoristas particulares tirou empregos de taxistas, muitos ficaram desempregados. Você que se utiliza de UBER, CABIFY ou 99, achou ruim? Preferia continuar andando em táxis velhos com taxistas mal humorados? Claro, estou generalizando apenas para efeitos comparativos.

Imagine você ter aulas com ministros dos tribunais superiores? Ou outras celebridades ou unanimidades do Direito? A pós-graduação em EAD já tem feito isso pelos seus alunos. Tem uma pós da PUCRS, instituição super tradicional no RS, que tem o atual Ministro da Justiça, Sérgio Moro, como professor. A pós é presencial? Claro que não! Há diversos exemplos de profissionais bem sucedidos que não têm tempo para atuar na graduação presencial, gostariam de ser professores, mas somente no formato em EAD, onde abrange um número infinito de alunos numa possível turma. O alcance é incalculável!

Realmente, os professores dos cursos presenciais atuais precisarão estar preparados para esta mudança. Tem diferença entre ter mestrado ou doutorado para ser um excelente professor à frente das câmeras? Nenhuma! Agora, cursos de produção de conteúdo virtual ou de saber como se postar num estúdio serão obrigatórios para os futuros docentes. O mestrado e doutorado aprofundam o conhecimento, especialmente, da pesquisa. Não melhorei como professor com o meu curso de mestrado, mas como pesquisador com total certeza.

– Mas professor, vai ter muita picaretagem neste meio virtual, a internet facilita isso.

Ora, há muito curso de graduação que não recomendo para ninguém. Então, não é a culpa do sistema. Com o EAD será mais fácil perceber o que presta do que não presta. Veja que o impacto e o alcance é muito maior. Se uma instituição começar a errar de forma constante com seus alunos, isso será compartilhado diretamente da sua “maior aliada”, a internet. E uma crítica negativa gera mais impacto do que uma positiva. Certamente, da noite para o dia para desmanchar a reputação de uma entidade EAD. Ao contrário, na presencial, um professor ruim ou sistemática fraca acaba ficando apenas no contexto geográfico, gerando pouca ou quase nada em termos de repercussão.

Apenas para exemplificar, conheci a Faculdade UNYLEYA, cuja sede é em Brasília, pois não só sou aluno de uma pós por EAD como também sou coordenador de outra no mesmo formato pela instituição que tem origem em Portugal. Sinceramente, fiquei impressionado com o comprometimento deles com a educação. Somente a sede administrativa tem mais de 500 pessoas envolvidas. Conheci o call center e tudo o que tinha direito. Não é por acaso, a instituição com MAIOR NÚMERO NO PAÍS de pós-graduações à distância: MAIS DE 800 CURSOS! Tais organizações responderão pelo futuro da educação, pois trazem seriedade e admiração dos seus alunos.

– Mas professor, a graduação de Direito precisa ser presencial em razão da sua abordagem!

Qual a diferença entre graduação e pós-graduação em Direito? Veja que a pós deveria exigir muito mais a participação do aluno em sala de aula. Sou professor de pós presencial e raros pedem a palavra ou buscam um debate sem a provocação do próprio ministrante. Na graduação, menos ainda. A participação fica geralmente, “quando vai ser a prova”, “como é a prova”, “a prova é com consulta”, “já fez ou fará a chamada”, etc., etc. Também não vejo diferenças com o curso da Administração, que precisa de um professor, uma caneta e um quadro. Simples assim. Sem contar ainda com os professores que usam MUITO powerpoint em sala de aula. Não estou criticando este uso, mas os slides podem ser utilizados em vídeoaulas, inclusive, ficando melhor ilustradas as explicações, além de vídeos externos, etc.

Às vésperas de entrar numa nova década, a tecnologia desenvolvida nos sistemas de ensino cada vez mais são SENSACIONAIS, coisa de ficção científica. Somente no EAD vamos ter acesso a estes recursos, melhorando a aprendizagem em centenas de vezes. A cada dia, os sistemas estão se tornando personalizáveis, atendendo às demandas específicas e individuais do próprio aluno. A chance de rever a aula quantas vezes quiser do professor, o modo de perguntar diretamente a tutores, material didático para ter acesso direto da plataforma, enfim, as possibilidades são infinitas!

Então, para não me estender muito mais, o EAD tem tudo para ser o caminho para dar uma sacudida na atual mesmice da graduação em Direito. É a RESSURREIÇÃO. É a chance de EVOLUÇÃO do curso. É a oportunidade de conectarmos um curso tão secular e antigo às novidades do mundo atual, da 4ª revolução industrial. Aprendi e continuo aprendendo, mas no momento estou fascinado com o que se tem de MELHOR na educação à distância e, por hora, ao modelo híbrido de ensino. Não desejo esperar muito para se tornar 100% À DISTÂNCIA. Quem sabe, volto a tentar a ser professor da graduação.

PS. recentemente, escrevi sobre assunto paralelo, o “ambiente tóxico da graduação de Direito”, recomendo a leitura [clique aqui]

PS.2. – Então professor, o senhor acha que acabará a graduação presencial de Direito? Repergunto a você: o CD, o MP3 e o SPOTIFY acabaram o disco de vinil, o LP?

PS.3. Tem uma matéria muito bacana com entrevista do fundador do 5º maior grupo educacional do país, SER EDUCACIONAL, Janguiê Diniz. Ele faz uma análise contundente sobre o ensino do nível superior no Brasil, clique aqui.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *